À MINHA ADORADA ESPOSA
“Perdoa-me, meu amor, se estou deixando de ser aquele que você amou. Pouco a pouco, estão saindo de minha memória todos os doces momentos que compartilhamos juntos. E, com eles, sua face…
Perdoa-me, porque logo, logo, estarei me esquecendo de você, sem poder dizer “TE AMO”, porque já não saberei fazê-lo.
Estou esquecendo já de mim mesmo. Só lhe peço que não desista, que me ajude a recordar como fui e como nos amamos.
Faça isso, por favor, meu amor, porque eu já não posso fazê-lo!”
(Texto traduzido de um panfleto em espanhol por Cidinha) – 27/02/2007